Blog, Habitat III Ei jovem, vamos falar sobre segurança viária?

29 de maio de 2020

Compartilhar

FacebookTwitterPinterestLinkedInEmail

Por Camille Silva, São Paulo

O mês de Maio traz através do movimento internacional “Maio Amarelo” a importância de se falar sobre o alto índice de mortos e feridos no trânsito. Junto dele, vem à tona a necessidade de atenção a algo extremamente relevante para o nosso dia a dia: a nossa segurança ao se locomover. Com isso, nós do GT Habitat gostaríamos de dar uma palavra sobre esse tema e trazer para discussão como isso impacta tanto as nossas vidas. Topa escutar?

Vamos de dados
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em torno de 1,35 MILHÕES DE PESSOAS NO MUNDO MORREM no trânsito por ano, sendo a principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. Dentro do ODS 3 (Saúde e bem estar), a ONU havia estipulado uma meta até 2020 para os países reduzirem em até 50% esse número, mas o Brasil não chegou nem perto disso. Conforme apontado pelo Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP), até o início do ano passado (2019) havíamos reduzido apenas 16%. O Conselho Federal de Medicina aponta que a cada 1 hora, 5 pessoas morrem em ocorrências de trânsito no Brasil. E, novamente, a maioria (60%), corresponde aos jovens, o que mostra a nossa importância frente a essa situação.

E o que pode ser feito?
Ações falhas e/ou condições impróprias podem contribuir para o aumento de vítimas no trânsito. Temos diversas campanhas (inclusive de uma ONG, o Observatório Nacional de Segurança Viária) para nos lembrarmos dos sinais e as regras de trânsito, como: volante e velocidade não combinam nem um pouco, menos ainda com bebidas alcoólicas e celular (inclusive, se o boy, o BFF ou até seus pais insistirem em dirigir nessas condições, reforce a segurança no trânsito e não se junte a esse risco); o automóvel precisa passar por inspeções, e obrigações destinadas aos ciclistas e pedestres, de  uso de equipamentos de segurança e respeito às sinalizações como faixas de travessia, devem ser seguidas.

Mas, seria somente isso o suficiente? Será que a forma como nossas ruas são desenhadas também não poderia auxiliar na nossa segurança? Para pensar como nos locomover com segurança pela cidade, é necessário uma análise mais complexa das causas dessas ocorrências e de como evitá-las.

Assim, destacamos 4 ações que podem ser tomadas para que a gente tenha, de fato, um deslocamento mais seguro. Acompanha a gente:

1. Me dê um sinal!

Ao passar por ruas quem nunca notou uma faixa de pedestres apagada, quase impossível de ser notada ou uma sinalização que mal dá pra perceber que está ali? O código de trânsito brasileiro (CTB) conta, entre as suas 6 categorias de sinalização, com a sinalização horizontal: tudo o que é feito no pavimento da vias como faixas, linhas e marcações! Dentro desse código há cores definidas para cada necessidade, como a faixa branca que conhecemos. Mas, como algumas gestões públicas atuais vêm trazendo, a pauta do uso de cores como vermelho e amarelo (cores que chamam atenção) é bastante importante, pois essas cores nos deixam mais alertas e também dão maior visibilidade ao motorista, mas a discussão conta com a resistência do descumprimento do código.

2. Bora redesenhar nossas ruas? 

Acreditamos que todas as mortes no trânsito podem e devem ser evitadas e que a vida humana deve ser colocada em primeiro lugar no desenho de nossas ruas! Quantas vezes ao caminhar por aí, nos queixamos quando nos deparamos com ruas comprimidas por excesso de carros, ausência de espaço para circulação ou ser inviável de fazer uma travessia segura?  A revisão do desenho urbano mostra que para cada 1% de mudança da forma urbana para uma cidade mais compacta e conectada, as taxas de morte no trânsito em todos os modos caem 1,5%, e as taxas de mortalidade de pedestres diminuem de 1,5 a 3,6%. Rotatórias, lombadas e até mesmo cruzamentos mais estreitos se mostram mais eficazes para a segurança no trânsito, controlando a velocidade e possíveis colisões.

3. Velozes e Furiosos só na Ficção!

Nas Américas, apenas cinco países possuem padrões que se alinham às melhores práticas, com limites de velocidade de 50km por hora em vias urbanas. De acordo com o estudo, a cada aumento de 8 km/h nos limites de velocidade máxima resultaram em um crescimento de 4% nas mortes. Adequar a velocidade no trânsito é um alerta constante para nos conscientizarmos, havendo diversos exemplos no nosso dia a dia que evidenciam essa necessidade, mas a sua eficiência aumenta ainda mais quando combinamos a nossa precaução com regras já prudentes! Dados também mostram que a redução da velocidade em rodovias previne mortes e acidentes, respeitando a limitação das vias e do automóvel.

4. Vamos juntxs?

O conceito de cidade inteligente cresce cada vez mais e junto com ele diversas sugestões de práticas, como uso de bicicletas, crescente cada vez mais devido a todos os seus benefícios ao meio ambiente,  integração de meio de transportes,  a prática de compartilhamento de carros (car sharing), car pool e o uso de transportes públicos que, praticados pela maioria contribuem para uma mobilidade urbana mais sustentável. A variedade do uso de transportes, em destaque o transporte público, ajuda a reduzir a circulação de carros particulares, diminui o consumo de recursos como gasolina/etanol, reduz a poluição e também é uma alternativa mais econômica, sendo também mais segura por se tratar de motoristas qualificados. Que tal ao ir para um rolê (ou passeio) optar por um transporte coletivo ou uma carona?

Segurança viária e mobilidade urbana são temas com diversas possibilidades de ações, estudos e propostas para o desenvolvimento das nossas cidades. Nós jovens temos que nos atentar e nos envolver à construção de nossas cidades para conseguir torná-las sustentáveis e inclusivas. Ficou curioso sobre o tema? Checa só esses textos e conta pra gente a sua sugestão para cidades mais sustentáveis!

::Dicas:::
LISTA DE FATORES CONTRIBUINTES DE ACIDENTES DE TRÂNSITO PARA PESQUISA NO BRASIL 
Conheça Tudo sobre Sinalização Horizontal e Sinalização Vertical
8 ações para reduzir as mortes no trânsito a partir da abordagem de sistemas seguros

Referências imagens:

  • https://diariopb.com.br/joao-pessoa-teve-media-de-50-pedestres-vitimas-de-acidentes-de-transito-por-mes/
  • https://www.archdaily.com.br/br/772541/antes-depois-30-fotos-que-mostram-que-e-possivel-projetar-para-os-pedestres
  • https://www.onsv.org.br/momento-seguranca-no-transito-explica-como-se-define-velocidade-maxima-de-vias/
  • https://jornaldasoficinas.com/pt/2020/02/11/58-dos-portugueses-recorrem-ao-car-sharing-para-poupar-dinheiro/
FacebookTwitterPinterestLinkedInEmail

Buscar